Pedro Leopoldo, almoço no Panela de Pedra

PanelaPedra-019

Em nossa reunião no au au na quinta-feira marcamos de almoçar no Panela de Pedra em Pedro Leopoldo, motivados claro por fazer um passeio de moto com o PP Bodão e sua esposa Taquinha. Eu já havia combinado de ir com um casal de padrinhos de casamento, e o Bodão iria para dar um rolé com a Taquinha de moto, bom que nossa vontade acabou contagiando os demais amigos que decidiram ir conosco de imediato. Bom demais.

Combinamos de encontrar no local de sempre quando vamos rodar sentido aeroporto, as 10:00 hs da matina. Como sempre o raimyson é o mais pontual da galera e chegou no horário junto com um casal de amigos, Fabricio e Vanessa. Para gente tudo é festa, alguns já os conheciam, outros ainda não, mas no final todos se tornam amigos, isso que é o legal de ser motociclista.

Quando cheguei, Raimyson ficou preocupado quando me viu sem o Bodão. Disse para relaxar que ele chegava sem problema, era inclusive bom para ele andar no ritmo dele, curtindo o passeio com a Taquinha. Não demorou muito para o Bodão encostar. O Raimyson deu até um suspiro de tranquilidade. Flinkas chegou logo em seguida e dava para escutar ele chegando de longe, a moto do cara esta fazendo barulho demais. Ficou legal, mas bem acima dos decibéis permitidos.

Amigos reunidos, ligamos os motores e seguimos até Pedro Leopoldo em uma carreata bacana com 4 motos e 2 carros. Não tem preço podermos reunir os amigos para um passeio, mesmo que seja próximo, a verdade é que estar na estrada com essa galera é sempre muito bom e nos permite uma diversão sem igual.

Estava gostando de ver o Bodão pilotar com confiança e estilo, eram os primeiros kms rodados da Taquinho conosco dentre os inúmeros que viram, e pessoalmente vibro com estas coisas. Quando chegamos no estacionamento do restaurante, bem na entrada, o Bodão vacilou, reduziu a velocidade quase no ponto de parar a moto e como estava em uma subida irregular, ao tentar colocar o pé no chão assustou pelo piso ser um pouco mais alto, desequilibrou e batizou a M-800, comprando seu primeiro pedaço de terra. Taquinha que estava na garupa não tinha o que fazer a não ser deixar o corpo cair, mas em grande estilo claro, e graças a Deus não teve nada. Ambos foram batizados e sem um arranhão sequer, melhor impossível.

Passado o susto, pose para foto e nos acomodamos para curtir o dia. Os meninos do Raimyson, Daniel e Rafaela, foram direto para o parque, o lugar é excelente para criança, tem um espaço grande para os meninos correrem e parquinho para eles ficarem à vontade. Ficamos apenas em um lugar estratégico para acompanhar o movimento deles.

O mais engraçado do dia foi os momentos frescura…ai ai ai…hum!!! Começou com o Bodão, que viu um bicho voando e que ele chama de mutuca (uma especie de mosca varejeira) e disse que quando morde doí demais. Para começar a zuação, explicamos para ele que se é um inseto não morde, pica. Além disso, não precisa dar xilique e sair de perto, seja macho rapaz, mata o bicho. Para resolver esse problema o Raimyson, que é um vascaíno macho demais (até debaixo de outro macho), ficou esperando a tal mutuca entrar na casa dele e tampou com papel. Problema resolvido? Quase. De repente, eu estava de gosta para galera e escutei um gritinho, quando olhei a Carol estava na mesa ao lado, fazendo careta…como já tinha visto essa careta antes só pensei: “_ Cada a lagartixa ou similar?”. Dito e feito, tinha uma lagartixa que ficava passeando na árvore, subindo e descendo, e a cada vez que ela via a danadinha era um gritinho e um pulo para mesa ao lado. Carol, não se preocupe, ela não vai voar e pular em cima de você. Bom, se ela fosse sacana como a gente e soubesse do seu medo com certeza pularia, mas não é o caso.

Para variar, a bebida predominante na mesa foi coca-cola, graças a quaresma. Fiquei apenas com dó do Fabricio que preferiu acompanhar todos na coca-cola variando as vezes com um suco do que beber sozinho. Em outra oportunidade a gente retribui a gentileza Fabricio e tomamos uma loura gelada contigo. Anota aí, primeira quinta-feira após o domingo de aleluia.

Em relação a comida impossível reclamar, tinha opção para todos os gostos. Quem estava afim de almoçar podia escolher entre frios e quentes, sem contar que o buffet de doces estava dando água na boca. A primeira vez que fui servir para buscar um tira-gosto confesso que tive vontade de parar na mesa de doces e comer só eles, cada um melhor que o outro.

Saímos de lá por volta das 15:00 hs e de barriguinha cheia, graças a Deus. O passeio foi sensacional, animado, divertido e entre amigos, não tem coisa melhor né. Vamos pensar no próximo galera.

Outras noticias sobre este passeio no site DOIDO DEMAIS.

Similar Posts:

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Código de Segurança * Time limit is exhausted. Please reload the CAPTCHA.